domingo, 7 de agosto de 2016

Viúva (A) – Fiona Barton



Há muito tempo que deixei de adquirir ou ler livros apenas pela campanha de marketing, pois foram tantas as desilusões que desisti de o fazer. Actualmente são poucos os livros que compro, pois costumo frequentar a biblioteca da cidade onde resido e também porque tenho dezenas de livros que nunca li e que de facto pretendo ler.

Posto isto caí na esparrela de comprar este livro por causa da publicidade que vi dele, no entanto, confesso, que a premissa me agradou, pois a autora, jornalista, alegadamente analisou vários casos que estão por detrás do trama e propunha-se a efectuar uma análise, romanceada claro, à companheira de um pedófilo, questionando se a mesma sabia dessas taras e se sabia, “assobiava” para o lado. Até a Oprah classificou este livro como “uma história incrível… com um hipnotizante narrador nada confiável…”.

Enfim!

Pura decepção!

Admito que a expectativa era muita e foi com muito interesse que iniciei o romance, interesse esse que foi esmorecendo ao longo do mesmo, até se tornar numa leitura madorrenta e lenta devido ao fim dessa expectativa que redundou em decepção.

O livro destaca de facto a convivência entre o casal. Ou seja, por um lado temos o criminoso que rapta uma menina e a pergunta que se coloca durante todo o é livro é: saberia a esposa desta do crime do marido? Saberia ela que o marido era um pedófilo e mesmo assim finge que nada se passa? Nesse aspecto confesso que o livro é interessante, no entanto e como thriller deixa muito a desejar, pelo menos ficou muito aquém das minhas expectativas e eu que nem sou um amante deste género, já tenho lido livros muito melhores.

De resto e sempre com capítulos muito curtos, que de facto tornam a obra de fácil e acessível leitura, a autora constrói um trama em que uma menina desaparece enquanto brincava diante da sua casa. A polícia, de acordo com as testemunhas dos vizinhos, acaba por identificar alguns suspeitos, sendo que um deles é apontado como o culpado. No entanto e em tribunal as provas contra o mesmo não existem e essa pessoa acaba por ser ilibado. No meio disto temos a esposa que acaba por dar uma entrevista a um jornal onde admite a culpabilidade do marido…

Agora, o livro ficou aquém das minhas expectativas porquê?

Primeiro porque a escrita é muito leve, um livro escrito para ser lido nas férias e em pouco tempo. Depois porque a investigação policial mal feita, cheia de clichés e erros nada condizentes com a suposta experiência do principal investigador. No fim redunda em nada, ou seja, finda quase como termina e, confesso, que cheguei a esperar uma reviravolta mas que nunca se dá.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Quando andava na escola, algures no 7º ou 8º ano,

um professor referiu numa aula que haveria de chegar o dia em que iriamos pagar impostos simplesmente por respirar.

Naquela altura pareceu-me algo completamente insano, mas passados estes anos acho, sinceramente, que para aí nos dirigimos sob a nossa complacência.

Pois bem, ontem li uma notícia que me deixou banzado:

IMI pode subir com vista da casa e exposição solar!!!!!!! AQUI

A táctica de mandar o barro à parede e ver a reacção da opinião pública foi utilizada pelo poder político.

Nem vou comentar esta aberração, mas fiquei preocupado porque se a sociedade não comentar esta notícia, esta lei vai acabar por sair e depois del rei, façam mais Prós e Contras desnecessários.

Há muito que afirmo que os governos têm gente fechado em gabinetes só a pensar em como criar mais e outros impostos. Este é de bradar aos céus, mas se continuarmos a assobiar para o lado, estou certo que irá acabar por acontecer.

Aliás, o impostos do IMI já de si é uma aberração, quanto mais com essas condições.

domingo, 31 de julho de 2016

Por falar em respeito pela opinião de cada um,

ciou-se uma celeuma pelas declarações do psicólogo Quintino Aires sobre os ciganos, afirmou ele: "a etnia cigana não está integrada em Portugal, invadem as escolas, invadem os hospitais e não respeitam regra absolutamente nenhuma", que "não respeita as normas do país onde vive" e que "a maioria vive dos subsídios ou trafica droga e não trabalha".

Obviamente como estamos em Portugal e há gente que não gosta de ouvir as verdades, surgiram logo uma série de arautos da verdade dizerem "daqui del rei, que treta, pois é sabido que os ciganos respeitam tudo e todos, são exemplares, nada racistas, que se fartam de trabalhar, contribuem para a sociedade, fazem os seus descontos, enfim, são gente séria e exemplar"

Obviamente que surgiu logo a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial (CICDR, que nunca surge quando há problemas com minorias a proferirem que se devia consagrar cada cigano a exemplo a seguir e que esse Quintino é um racista de primeira apanha que devia ser excomungado, queimado vivo ou então ser degredado para o deserto de Lut.

Em todo o caso quem um dia precisou de alguma coisa da Segurança Social, depois de dezenas de anos de descontos, quando essa organização abutre lhe fechou as portas e lhe disse na cara: "não tem? Azar, morra para aí", percebe o que esse Quintino quer dizer, até porque um dia normal na Segurança Social é atender os ciganos sérios em busca de subsídios. Coitadinhos. Eu por mim, até fazia mais, por cada cigano, para além da casa e subsídio/cada de 2000€, é pouco CICDR?, ok, 3500€, dáva carro e férias trimestrais em qualquer ilha paradisíaca à escolha de cada família.

A verdade custa ouvir!

sábado, 23 de julho de 2016

Respeito pela opinião de cada um!!!

Quem me segue nestes nove anos de Blogue NLivros e até antes noutras publicações, sabe que há muito perdi a "pica" de escrever opiniões sobre livros que leio porque cheguei à conclusão que não me interessa expressar aquilo que penso sobre determinadas obras. É um pouco como a filosofia de um escritor, ele só existe se houver leitores e feedback das suas obras, caso contrário, não faz sentido continuar a escrever ou então escreve para ele próprio, pois é precisamente isso que eu faço, continuo a escrever para mim próprio sem publicar o que escrevo.

Desde há uns anos para cá que o blogue começou a aborrecer-me, sobretudo ao perceber que a intenção inicial dos bloguers da minha altura (2007) está completamente desvirtuada, pois a grande maioria dos blogues, literários (leia-se), são meros instrumentos propagandistas editoriais e versam quase sempre sobre as mesmas obras, mas enfim, é a minha opinião e há algo que sempre fiz: respeitar qualquer um que escreva o que o seu intelecto dita, concordando ou não, mas respeito.

Ora bem, faz-me imensa confusão receber comentários acéfalos com qualquer coisa de ser humano que criticam as minhas opiniões. Não criticam que estão mal escritas, mas criticam o conteúdo, ou seja, como eles gostaram de certos livros, acham que toda a gente devia gostar. Se não gostam, idem, acham que aquilo é lixo e bradam aos céus como é possível alguém gostar daquilo.

Essa gente, curioso que uma breve incursão no seu perfil percebo que alguns são ávidos caçadores de pokemons (hum... hum...), parece não conhecer o conceito de DEMOCRACIA e RESPEITO e mais grave é perceber que a maioria deles até são gente já com idade para ter juízo, mas enfim, para quem vive no mundo pokemoniano, acabo por dar desconto.

Há muito que penso acabar de vez com o blogue, só não o faço porque são quase 400 opiniões que aqui tenho de livros que li mesmo, de certo o triplo daqueles que a maioria dos mortais lê durante a sua existência, mas e como fui ensinado a fazer, respeito cada um um, não apenas as suas opiniões, mas cigualmente as suas crenças, gostos, apetites e paranóias.

42 anos depois continuamos com o salazarismo bafiento no nosso âmago e isso é preocupante, ainda mais nos tempos actuais onde sob a capa do anonimato e enquanto se preocupam em caçar pokemons, criticam os outros que OUSAM não pensar como eles.

Para eles uma mensagem final: FAÇAM UM BURACO NO CHÃO PARA VER SE CHEGAM À AUSTRÁLIA OU À LUA (DIZEM QUE HÁ LÁ POKEMONS VALIOSOS), O TEMPO QUE PERCO A LER OS VOSSOS COMENTÁRIOS VALE OURO.

 

sábado, 18 de junho de 2016

Priorado do Cifrão (O) – João Aguiar



Já tenho lido alguns livros de João Aguiar e, confesso, o meu apreço pela sua escrita, no entanto este “Priorado do Cifrão” revelou-se uma imensa decepção tal o desinteresse da história como igualmente do propósito do autor.

Aparentemente trata-se de uma sátira ao famoso best-seller de Dan Brown “Código Da Vinci”. Aqui também existe uma morte estranha num museu logo no início do livro, perseguições, uma organização secreta que pretende controlar o mundo, etc, etc, etc.

É de facto notório que o autor procurou ironizar com o contexto da obra de Dan Brown, criando um policial à portuguesa onde o principal protagonista chama-se Miguel e é nomeado responsável pela edição portuguesa do famoso best-seller "Os Documentos de Caravaggio" numa clara alusão a Da Vinci. Enfim!

Depois toda a obra é um desenrolar sem fim de situações sem sentido, sem qualquer tipo de lógica, misturando acção com sexo, tentativas de assassinato, perseguições, revelações bombásticas, tudo sem qualquer sabor e interesse, revelando-se uma leitura bastante aborrecida e comprida, pois às tantas é um suplício ler página a página o que toda aquela mistura vai dar.

Dizer que este livro é maçudo é fazer um favor ao autor.

O livro simplesmente não tem qualquer rumo, os episódios sucedem-se com poucos ou nenhuns pontos de ligação e até aqueles que poderiam desembocar em algo interessante, no final desaguam simplesmente em nada tal a imbecilidade da história.

Uma tremenda desilusão face à qualidade de outras obras que li deste autor e sinceramente não entendo com é que um livro destes é editado e não houve coragem para dizer ao escritor: “meu caro, isto é lixo, escreva aquilo que de facto sabe escrever e deixe-se de sátiras, pois ter graça é um dom natural e não se fabrica a martelo”.

Um conselho, não percam tempo da vossa vida com este livro, um dos piores livros que li até à data.


terça-feira, 7 de junho de 2016

Alentejo Prometido – Henrique Raposo

À semelhança de milhares de pessoas, Henrique Raposo é filho de alentejanos que migraram para Lisboa na década de 60 do século passado. À minha semelhança, Henrique Raposo cresceu em Lisboa considerando o Alentejo como o seu berço, o local onde poderia chamar de “casa”, esperançado que um dia poderia voltar a habitar o local que os seus antepassados abandonaram em busca de uma vida melhor e, conforme acontece inúmeras vezes, comigo inclusive, Henrique Raposo quando começou a conhecer o Alentejo sentiu uma enorme decepção.
No entanto e ao contrário de Henrique Raposo, eu fui mais longe, eu não me limitei a escrever um road movie sobre o Alentejo. Simplesmente eu vim para cá viver com a ilusão que cá a minha vida poderia melhorar. Debalde pensamento esse, aqui só encontrei decepção, não apenas com a região que muitos pintam de bela mas e sobretudo com as pessoas.

Este pequeno livro, chamemos-lhe então Road Movie, nasce da pretensão do autor, jornalista, em conhecer e descrever o Alentejo. É um pequeno livro (pouco mais de 100 páginas), onde o autor vai traçando um contexto socio económico e histórico de toda a região, analisando igualmente o comportamento das suas gentes. 
Para quem não conhece o Alentejo, poderá julgar que o autor exagera ou tem a intenção de “dizer mal”, mas nada disso, o autor simplesmente fala a PURA VERDADE, nua e crua, verdade essa que muitos iluminados e puristas não gostam de ouvir.

E o autor como não mora aqui, desconhece outros pormenores: Na sua generalidade, os alentejanos, são invejosos, maldosos, maldizentes, falsos e desconhecem o que é "ter palavra". Ou seja, jamais dizem olhos nos olhos o que pensam, preferindo antes dizer mal assim que a pessoa vira costas. Para além disso, a mentira é algo que estão tão enraizada, que mentir é como uma segunda pele:  “estava a mangar”. Palavra dada é algo que não é tida como sagrada. Aqui combinar algo não é visto como tido e garantido. Marca-se uma hora e nem sequer aparecem nem se dignam a avisar. É normal! E a violência familiar toma proporções como eu nunca vi e senti em Lisboa. Aqui é normalíssimo a mulher “apanhar” do marido e as pessoas vêm isso como normal e nem se metem.
O autor escreve: “um olhar desconfiado, austero e antigo…”; “… nunca nos sentimos bem acolhidos. Pedimos, comemos, pagámos, sorrimos e dissemos adeus, mas a rapariga do café nunca abriu o sorriso. De onde virá essa antipatia sulista partilhada por alentejanos e algarvios?”. NA MUCHE! Nós aqui só nos sentimos algo bem acolhidos quando as pessoas nos começam a considerar habitantes de cá, de resto não passamos de turistas lisboetas.

O autor fala assim que o alentejano é desconfiado, que desconfia de tudo e todos? É a pura verdade!
Fala da normalização do abuso sexual, consubstanciado em expressões típicas que é comum ouvirmos em qualquer local? É verdade!
Eu acho engraçado muitos defenderem o Alentejo com unhas e dentes, criando grupos nas redes sociais como “Meu querido Alentejo”, “Alentejo da Minha Alma”, etc. Oh amor tão lindo, mas o curioso é que são pessoas que não vivem no Alentejo, vivem bem longe. Costumo dizer: “se é tão bom porque não vivem aqui?”. Querias!

Em todo o caso o autor passa um pano por cima de todas essas “acusações” ao referir razões históricas que explica a posse desconfiada e a antipatia deste povo, assim como encontra razões históricas para explicar a enormíssima taxa de suicídio e a forma como esse fenómeno é visto na região, como algo normal.
Não gostam os mais puritanos que se entretêm com cantorias pacóvias (parece um concerto de zombies) demonstrando a sua maldade congénita. Temos pena, mas este livro fala apenas a verdade e o autor até diz pouco daquilo que eu pessoalmente conheço e já senti na pele.

E agora podem-me excomungar! Falsos!

 

domingo, 15 de maio de 2016

Fogo Cruzado – Bernard Cornwell



É do conhecimento comum que os Estados Unidos foram uma colónia britânica durante muito tempo e que só em 1783 os Estados Unidos conseguiram a sua independência, numa Guerra que durou 8 anos (1775-1783), guerra essa conhecida por: Guerra de Independência dos Estados Unidos, Guerra Revolucionária Americana, Guerra Americana da Independência, ou simplesmente Guerra Revolucionária.

Confesso que antes de ler este livro, a minha ignorância sobre o tema era altíssima, pois julgava que se havia tratado de uma guerra entre soldados britânicos e americanos, no entanto fui percebendo que houve implicações mais profundas e com a participação de outras nações, casos da França, Holanda e Espanha, ou seja, praticamente todas as potências militares da altura entraram ao barulho, tornando assim este conflito uma espécie de Guerra Mundial.

Em todo o caso esta opinião versa sobre este livro que tem como pano de fundo a Guerra da Independência.

Bernard Cornwell situa-nos em 1777 na cidade e arredores de Filadélfia. Os britânicos ganham terreno e obrigam à fuga dos americanos. Na cidade ficam apenas os lealistas e alguns patriotas que, embora não escondendo as suas opções, convivem lado a lado com o inimigo em constantes tertúlias de uma hipocrisia atroz. Obviamente que esse convívio fomenta traições e jogos políticos cujo o autor é exímio na construção de toda uma narrativa que nos prende do principio ao fim do livro.

Como em todos os seus livros, ele vai construindo personagens de vários tipos de carácter.

Temos o herói, o vilão, os amigos do vilão, os amigos do herói, enfim, uma panóplia de personagens fortíssimos que ajudam, e muito, a que nos mantenhamos agarrados ao livro, pois nunca sabemos o que vai surgir a seguir.

Outra imagem de marca de Cornwell, que faz com que o considere o meu autor preferido no género do romance histórico, é a brutalidade e a forma viva como narra as batalhas. Uma vez mais, sentimo-nos no campo de batalha, onde homens morrem de forma atroz. São violentíssimas as descrições e, como em todos os seus livros, dei por mim a ouvir as explosões, os gritos, os toques da corneta e os relinchar dos cavalos. Confesso que é algo que muito me atrai neste autor, pois ele não se limita a ser quase fiel aos factos históricos, consegue embelezar os seus romances com descrições de batalhas como julgo terem sido, ferozes e brutais.

Em suma, já tinha saudades de um romance deste género e, pese embora não me tenha preenchido de uma forma plena, sobretudo porque é uma época que não me sinto especialmente atraído (prefiro romances históricos na Idade medieval), acabei por o ler num ápice.


quinta-feira, 12 de maio de 2016

Cura de Schopenhauer (A) – Irvin D. Yalom


Pese embora não seja um leitor assíduo de filosofia, sempre gostei da “disciplina” e na minha biblioteca pessoal abundam várias obras de vários filósofos, sendo que o que mais me fascina e aquele que mais se coaduna comigo, falando obviamente do seu pensamento, é Nietzsche e a sua filosofia irónica sobre a religião e a moral, algo que me identifico bastante e onde fui “beber” muitas das minhas concepções do mundo.

Schopenhauer conhecia de nome, confesso. Sabia que tinha tido alguma influência no pensamento de Nietzsche e de vários poetas com os quais até me identifico, mas não conhecia de todo o seu pensamento, algo que este livro, muito bem escrito, diga-se, me deu a conhecer.

O enredo é basicamente o seguinte:

Julius é um terapeuta de imenso sucesso que, numa visita de rotina ao seu médico, descobre que tem um cancro na pele e apenas um ano de vida. Na iminência da morte, faz um balanço da sua vida, constatando que nem tudo o que fez foi um sucesso e disso é a imagem um seu antigo paciente que, depois de dois anos de terapia e de imenso dinheiro gasto nas consultas, não se conseguiu curar. Dessa forma, e mais por curiosidade, entra em contacto com essa pessoa (Philip Slate) que lhe diz estar agora curado mas cuja cura deve a Schopenhauer.

Inicia-se assim uma terapia de grupo onde é escalpelizado a vida de todos os participantes tendo a filosofia de Schopenhauer como base.

Sinceramente e embora tenha gostado do livro, este fica aquém de Quando Nietzsche Chorou, não porque tenha menos qualidade, mas porque, a meu ver, a filosofia de Schopenhauer entra em conflito com o leitor no aspecto de ser uma filosofia bastante pessimista. Ou seja, damos por nós várias vezes completamente em baixo com o que estamos a ler, até porque um dos pilares do pensamento de Schopenhauer era que prazer consiste apenas na supressão momentânea da dor; esta, por sua vez, é a única e verdadeira realidade… Imaginem!
 
Em todo o caso é mais um excelente livro de um autor que descobri há pouco tempo e que tenciono continuar a ler, pois a sua escrita é magnífica e consegue-nos transportar para a mente dos filósofos em questão.